Arquivo de Público

Momentos Únicos… únicos mesmo!

Posted in Momentos Únicos with tags , , on Outubro 16, 2008 by soniapessoa

Porque entrei em contagem decrescente até ao lançamento do meu livro, comecei ontem a fazer a divulgação do mesmo ao nível da comunicação social. Passei então, o dia de ontem, no Porto e encontrei-me com algumas pessoas com quem trabalhei há uns anos atrás no Público e que se encontram agora noutros orgãos de comunicação.

Até aqui nada de extraordinário não fosse o facto de ter revisto pessoas que não via há uma boa meia dúzia de anos e por quem sinto um carinho muito especial. Quem me conhece e esteve atento, sabe que essa última meia dúzia de anos não correu muito bem, sabe que estive mais próximo do inferno do que da terra e sabe, por isso, que este reencontro me trouxe, ainda que escondidas, lágrimas de alegria. Porque ontem senti que era o virar de uma página da história que me escreve, senti-me feliz. Porque mesmo sabendo que apesar das cicatrizes que ficam de um período menos bom, consegui alcançar a serenidade que há muito não sentia e senti, nesse reencontro, que estava a recuperar pessoas que perdi no meio do turbilhão da tempestade. E deixem-me que vos diga, que boa que é a sensação de sentir que há coisas que nunca se perdem, que boa é a sensação de que depois da perda vem a conquista ou reconquista de algo que, na verdade, nunca largamos, estava apenas preso pelo fio mais ténue da sobrevivência mas que só a morte pode cortar. 

Para além desses encontros que tinham por objectivo a divulgação do livro, tinha também marcado um almoço com duas amigas que também trabalharam (e ainda lá trabalham) comigo no jornal. A Paula e Ana são aquelas colegas de trabalho que ultrapassam por mérito próprio esse estatuto e tornam-se parte de quem as conhece como eu… tornam-se amigas, verdadeiras. A Paula e a Ana são aquelas amigas com quem me ri muito, com quem me diverti a valer, com quem chorei, a quem me abracei, com quem me zanguei, discuti e fui, algumas vezes, injusta até… são aquelas amigas que no meio do turbilhão pensei ter perdido, mas resgatei a tempo de saber que afinal estiveram sempre lá, porque o que nos liga é impossível de perder. Ontem o almoço não foi grande coisa, a salada além de cara era mal servida… mas sabem?, isso não teve importância nenhuma pois o sabor que tive na boca durante a refeição era o das palavras doces que trocámos, de saudades, memórias e projectos futuros… ficou a vontade de repetir, não a salada, mas o momento, que nos encheu a alma de um sentimento que nem eu por palavras aqui consigo descrever! Obrigada amigas…