Insólito… ou nem tanto assim

Decidi publicar esta notícia por ser insólita, ou melhor, por me parecer insólita, mas a verdade é que chego à conclusão de que os nossos tribunais estão entupidos e a rebentar pelas costuras à custa de casos insólitos como este que aqui vos deixo… divirtam-se…

“Uma recente decisão do Tribunal da Relação do Porto (TRP)sobre o destino a dar a um “casaco velho e podre” merece ser lida como uma lição de jurispurdência e responder às perguntas: Para que serve a Justiça? A lei serve para perder tempo com nulidades ou resolver problemas? Caso chegou ao Tribunal da Relação do Porto O TRP decidiu com base numa invulgar história judicial: o Tribunal Judicial de Amarante decidira, em 28 de Outubro de 2009, condenar um indivíduo pelo crime de condução ilegal. Mas veio a verificar-se que lhe tinha sido apreendido um velho casaco de bombazina castanha “em estado de infecta desagregação”. O casaco foi denunciado como tendo sido furtado em 22 de Março de 2006 e foi apreendido dias depois, em 5 de Abril. Em 15 de Junho de 2009, o MP decidiu o arquivamento relativo ao crime de furto. E no passado dia 18 de Janeiro, o casaco foi levado para tribunal para identificação do seu proprietário. Como ele já tinha falecido, três anos antes, e apesar do próprio MP ter promovido a notificação dos familiares mais próximos, o juiz decidiu, quatro anos depois de o casaco ter sido apreendido, destruir essa peça de roupa, também devido ao seu “estado de infecta desagregação”. Mas o MP recorreu da decisão para o TRP, exigindo que o casaco teria de ser restituído “a quem de direito” e acusou o juiz de ter violado “o disposto nos artigos 109 do CP e o 186º do CPP”. Quatro anos e meio depois do início da história em torno daquele casaco, no passado dia 29 de Setembro, o TRP, por unanimidade, contrariou a tese do MP e dá o recurso como improcedente. José Vaz Carreto e Joaquim Correia Gomes, da Relação do Porto, dizem que o juiz de Amarante agiu em conformidade com o disposto do artigo 417 do CPP , por considerar que o casaco não tem valor comercial. Salienta, ainda, que, com a sua decisão de ordenar a destruição do casaco, evitou gastos administrativos desnecessários e antecipou o destino a dar à velha e podre peça de vestuário. Para bom entendedor: o lixo. Por último, o TRP, perante os factos em causa – alegada discussão prolixa em torno do destino a dar a um bem sem valor que provavelmente ninguém quereria, nem a família do seu proprietário (“não nos é indicado quais são os familiares mais próximos”, questionam os juízes, – destaca que se fossem seguir “as estritas regras jurídicas” os tribunais acabariam “num mundo de absurdos inúteis, quando não é essa a ideia de lei”. Ideia de lei que, para o TRP, é, sim, “solucionar as questões e resolver os problemas, e, no caso, dar destino a um bem desnecessário no processo.”, in Notícia Jornal de Notícias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: