Arquivo de Setembro 22, 2008

Pensamento do Dia… a discussão está lançada…

Posted in Pensamento do Dia with tags , , on Setembro 22, 2008 by soniapessoa

“As mentiras às vezes suavizam a vida, simplificam o que pode vir a ser muito complicado…”

frase retirada de um episódio da série “House”

fico à espera das vossas opiniões!…

Esta frase foi dita pelo Dr. Wilson, protagonista aliás de uma outra frase bem polémica que lançarei numa outra oportunidade

As Minhas Músicas Sempre

Posted in As Minhas Músicas de Sempre with tags , , on Setembro 22, 2008 by soniapessoa

Eu gosto muito de ouvir este senhor, muito embora pese o facto de ele ser da mesma cidade que eu, de me lembrar de quando o ouvi a cantar, ao vivo, o Chico Fininho, qual revolução na música de então, tinha eu pra aí uns 11 anitos e já dava os ares da minha graça nos concertos do artista. Se bem me lembro (lembro-me mal!)  foi no Teatro Sá da Bandeira, num concerto colectivo onde tocaram também os saudosos, recentemente reaparecidos, Trabalhadores do Comércio.

Para matar saudades, fica uma das que mais gosto…

Momentos familiares

Posted in Uncategorized with tags , , on Setembro 22, 2008 by soniapessoa

Já eram horas, por isso mandei as crianças pra cama. O mais novo, porque acorda de manhã com as galinhas lá foi, mp3 em riste, e adormeceu rapidamente, a mais velha, porque sempre foi algo noctívaga, apareceu na sala ao fim de 15 minutos reclamando que não conseguia dormir… sentou-se no sofá ao pé de nós e na meia hora seguinte a conversa versou sobre os seguintes assuntos:

– Estava nesse momento a começar o “Momento da Verdade”, na SIC, um daqueles programas que será recordado para a posteridade como um mau serviço prestado a quem consome aquele canal (ao mesmo tempo que tem audiências altíssimas ou não gostassem os portugueses de cuscar sobre a vida do vizinho do lado). O programa era uma repetição do da semana passada pois a polémica gerada foi tanta que acharam que deviam repetir a dose. Rita Ferro Rodrigues apresentou o participante dessa noite, fazendo uma análise das consequências da sua prestação. As conclusões foram as seguintes (e vou citar duas ou três, porque eu não vi da primeira vez e sei que não vou ver desta também… ):

Depois de afirmar perante milhões de espectadores, incluindo família, que na mercearia de que é dono costumava aldrabar o povo na balança a favor de si próprio, depois de afirmar que por 250 mil euros teria relações homosexuais, de admitir que já tinha batido na mulher porque estava chateado e se enervou, depois de confessar que não tem orgulho no próprio filho e o polígrafo ter considerado essas afirmações verdadeiras… depois disto, que aparentemente para o protagonista é coisa pouca, feito um inquérito lá na terra do senhor, em Meda, Gondomar, chegou-se à conclusão de que o senhor é, neste momento, considerado como um herói, senão nacional, pelo menos local.

O Momento serviu para se reflectir sobre quanto vale a privacidade de cada um de nós, quanto vale a humilhação daqueles que nos amam e nos deveriam ser queridos, quanto vale 250 mil euros…

Logo a seguir, veio à baila o programa, também exibido na SIC, “Lucy”… dizia a minha mais velha que nunca tinha visto e gostava de ver para saber o que é… eu proíbo muito pouca coisa à minha mais velha, ela é uma míuda responsável, com um elevado nível de bom senso e nunca tive por isso necessidade de o fazer… pela primeira vez fi-lo, e expliquei-lhe que a bem da sua sanidade mental estava proibida de ver o programa “Lucy”… porque ver aquilo é uma experiência traumática… ver uma jovem quase nua, com umas quase nulas peças de roupa, tipo a fugir para o cabaret, cantar canções românticas a criancinhas de 4, 5, 6 anos de idade… é absolutamente traumático e desnecessário.

Ela acatou a sugestão e rematou: “tá tudo bêbado neste país”.

Foi a deixa para a questão que encerrou a noite… a que deu menos polémica e a mais fácil de resolver…

– Mãe, quando os condutores bêbados sopram no balão como é que aquilo acusa o alcoól no sangue?

– Sei lá, pergunta ao teu pai (resposta recorrente quando a rapariga dá em inteligente, que até é, e faz perguntas complicadas)

– Como é pai?

– Olha se queres que te diga não sei…

Bem… vou para a cama. – remata ela desconcertada com a ignorância de quem lhe devia responder a todos os porquês da sua vida! Mas, não sem antes, me fazer prometer que ía deixar aqui a pergunta para que quem saiba me possa responder… é que não sei porquê, ela quer mesmo saber a resposta!!…