A saga continua…

Pés bem assentes na terra… volto a sorrir. Lá seguimos viagem do aeroporto até Victoria Station. Pelo caminho deu para perceber que apesar de esta ser uma cidade de poucas cores (as tonalidades variam entre o preto, o cinza e o tijolo), já que os edifícios respeitam uma arquitectura quase igual, o movimento humano e a diversidade cultural que se movimenta nas ruas conferem-lhe uma energia absolutamente fantástica. Em Victoria tivemos o primeiro contacto com o mais longo e antigo metro do mundo (data de 1863), depois de alguns minutos a olhar para os mapas espalhados pela estação, assim tipo como boi pra palácio, resolvemos pedir ajuda e lá demos com a coisa.

Agora começa a verdadeira aventura… acho que nunca vos falei na minha grande amiga Lurdes. A Lurdes vive em Lisboa. Conhecemo-nos tinhamos aí uns seis anitos, passavamos juntas os meses de verão na aldeia dos meus avós, perto do Fundão, brincamos e rimos muito, vivemos juntas as primeiras paixões, os primeiros desgostos de amor e sem darmos por isso passaram-se trinta e tal anos e ainda hoje somos amigas… posso dizer que é a amizade mais antiga que tenho.

A Lurdes trabalha numa agencia de viagens e foi através dela que tratei do avião, da estadia, embora o hotel tenha sido escolhido por nós via net. Se ela não contestou, eu achei que a escolha era bem feita! Isto para dizer que quando finalmente chegamos a Gloucester e percorremos a rua à procura do hotel estavamos longe de imaginar o que nos esperava… convem dizer que as finanças não andam em alta, e que por isso, não fazendo questão de grandes luxos, escolhemos um hotel de preço razoável, em que as fotografias na net nos deram a ideia de ser razoável também em termos de comodidade- leia-se nunca confiar em fotografias da net- . Quando chegamos à porta do dito cujo e entramos acho que entrei num estado de extâse em muito superior ao atingido no avião quando este descolou… e, por momentos, eu só quis descolar dali para fora! (Nota: recusei-me a tirar fotos para mais tarde recordar…)

A descrição é rápida, pois o momento ainda agora é doloroso, e só a fantástica cidade que é Londres me faz esquecer a agonia que tive naqueles segundos. A coisa era mais ou menos assim: a cair de velho, o átrio do hotel fazia prever o pior. No lugar de um funcionário com um aspecto minimamente profissional estavam um indiano e uma indiana com aspecto duvidoso no que concerne a profissionalismo, no lugar do computador estava um bloco de folhas, tipo mercearia, escrito à mão, completamente enxovalhado, onde era feito o registo da chegada de hóspedes, a chave do quarto ninguém sabia dela, pelo que esperamos cerca de meia hora por ela… durante essa meia hora nem a minha imaginação fértil conseguiu antever como seriam os quartos daquele… não me ocorre nenhum termo agradável!

O quarto era na cave, as escadas tortas, tipo declive… abrimos a porta e… eu quis morrer naquele instante!O quarto tinha cinco camas (duas das quais eram um beliche), um lavatório entre elas e fiquei num segundo a pensar se não teríamos direito ao resto das louças da casa de banho. Lá descobrimos uma portinha, leia-se portinha, onde encontrei a coisa mais surrealista que vi até hoje… uma sanita em cima de um poliban, leia-se uma sanita em cima de um poliban. eu explico, eu sentada ficava com os pés dentro da banheira!!! Quis fugir, quis morrer, o meu marido quis estragular o recepcionista do… não me ocorre nenhum termo agradável!

Passado o primeiro choque, lá chegamos à conclusão que não valia a pena estrebuchar, até porque não sei estrebuchar em inglês e em português aquelas almas não iam entender nada. Porque o ser humano tem uma capacidade de adaptação incrível a situações adversas, e aqui o Luis Castro, do Cheiro a Pólvora, há-de dar-me razão (quando teve de se desenrascar nas condições que é andar no meio do mato, aquele quarto era mais ou menos a mesma coisa!!!), rapidamente chegamos à conclusão que também íamos estar pouco tempo ali, era mesmo só para dormir, bla, bla, bla… e os nervos lá voltaram ao lugar. Que fique registado que me certifiquei de que os lençõis estava imaculadamente brancos… até os nervos têm limites!!

Amanhã continua a saga e a partir daí é que vale mesmo a pena! Ah, hoje quando falei com a minha amiga Lurdes, ao telefone, à medida que lhe contava estas mesmas aventuras, ela ria às gargalhadas… e eu também porque fiquei a saber que ela, porque o preço é mesmo convidativo, tem uns dias lá marcados em Dezembro próximo!!!!!Adoro-te amiga!

Mais uma musiquinha que por lá ouvi…

15 Respostas para “A saga continua…”

  1. Hahahahahhahaa

    Nunca ouviste aquela de “Quando a esmola é grande o pobre desconfia”?

    Barato, na Inglaterra?… pois… só podia.

    Beijinho
    Jorge

  2. Bem tirando a experiencia hoteleira de londres que não conheço, pois quando lá estive fiquei em casa de um casal amigo, espero pelo resto das descrições para matar saudade e estabelecer comparações com mais de uma decada de permeio 🙂
    Beijinho.

  3. Majoli, me desculpe, mas estou a gargalhar sozinho no quarto, porque suas aventuras de viagem estão muito divertidas. Espero ansioso a continuação de sua saga. Mas Londres é Londres e sempre vai valer a pena. Beijão.

  4. eheh.. Peço desculpa mas fartei-me de rir… Ainda me lembro ha uns meses quando uma colega queria um quarto em Londres e so lhe apareciam quartos com casa de banho no meio… desculpa, mas essa da sanita no polivan é imbativel… Estou certa que as noites foram mt agradáveis… Espero que tenhas atençao ao trauma dos teus filhotes…

    E como se costuma dizer… com amigos assim…
    Beijinhos

  5. Pronto, eu desta vez tive que me rir, desculpa lá! :p Mas verificaste se o “hotel” (também não me ocorre um termo agradável ou desagradável) estava no Routard? Bom, espero que o resto da aventura tenha contornos mais aliciantes…
    Beijinhos

  6. soniapessoa Says:

    Cátia, que as minhas palavras não sejam mal interpretadas… a amiga é excelente. Beijinho

  7. soniapessoa Says:

    Jorge, nem tudo é caro em Londres, devo dizer que a nível de roupa os preços estão dentro daquilo que aqui é praticado. Mais ainda, a nível de grandes marcas, tipo Nike e Adidas, os preços lá são mais baratos do que os nossos. Beijinho

  8. soniapessoa Says:

    Cris, só um bocadinho… vou ver o que é isso do Routard!!!

  9. soniapessoa Says:

    Jorge Santos, me aguarda… a saga continua!

  10. soniapessoa Says:

    Guto, a saga vai continuar, mas sim valeu a pena. Beijão

  11. Ainda bem que foste para esse….sitio,é que se fosses para um Hotel, não nos ríamos tanto(desculpa ) e não tinhas motivos para mais tarde recordar…desse… digamos…sítio onde dormiram.

  12. soniapessoa Says:

    É verdade Pedro, agora dá vontade de rir e fiz esse posto porque, muito embora o pudesse ter omitido, sabia que nos iria fazer rir a valer, a mim e a vós, só por isso já valeu a pena… mas confesso que na altura não achei piada nenhuma! Beijos

  13. Beeeem! Esse “place” deveria estar à minha espera, caso eu fosse a Londres. De certeza que não me escapava. É que eu tenho uma pontaria infalível para coisas doidas desse género.lol!
    Deixa lá, amiga, pelo menos tens uma coisa surreal para nos contar e colocar um sorriso nos lábios!

    xinhus

  14. Pois dizem que baratas são bichos pretos…hehehe e que saga, amiga.
    Um bjinho, RS.

  15. soniapessoa Says:

    Rsss, é verdade, mas posso pelo menos assegurar que disso não vi lá… como deves calcular fiz questão de me assegurar que eramos os unicos ocupantes do quarto!! bjo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: