Arquivo de Agosto, 2008

Momentos Únicos

Posted in Uncategorized on Agosto 31, 2008 by soniapessoa

Sem palavras… adoro!

Roberto Carlos

“Estás bem?”

Posted in Dedicatórias with tags , , on Agosto 30, 2008 by soniapessoa

Se forem ao cantinho da Cristina e lerem os últimos posts, colocados por ela, facilmente perceberão que naquele cantinho se sofre, sofre-se muito pela perda de um amigo. Porque aqui se fazem amigos, amigos para a vida atrevo-me a dizer e quero muito acreditar, tenho tentado dar algum apoio à Cristina para ultrapassar este momento de dor.

Mas quando nos envolvemos, quando entramos num blog, de corpo e alma, quando comentamos para fazer a diferença, e não apenas comentar por comentar, não ficamos indiferentes ao que por lá se passa, e, por isso, o mau momento que a Cristina está a passar deixou-me a pensar sobre um dos maiores problemas sociais a que esta sociedade consumista de aparências do século XXI nos remete… a solidão e a dificuldade que temos em prestar atenção ao que às vezes está mesmo à nossa frente.

O amigo que a Cristina perdeu não morreu de doença, morreu porque escolheu morrer. De tantas escolhas que fazemos na vida, morrer foi a última que fez. Diz a Cristina que ninguém esperava, que este jovem de 30 anos era a alegria em pessoa, tinha um sorriso contagiante e a vida corria-lhe bem… ou não tão bem… os motivos que o levaram a tal acto de coragem, desespero, e outros adjectivos, pouco importa. Nesta altura todos os amigos e familia se perguntam como não perceberam os sinais, como foi possível não terem prestado atenção… a Cristina sente o mesmo peso da culpa, mas como eu lhe disse, às vezes não há sinais, não há pedidos de ajuda… e se, por algum motivo, ela não estava atenta terá que se perdoar por isso.

A verdade é que fiquei a pensar nisso, na falta de tempo em que vivemos para prestar atenção a quem ao nosso lado sofre… não basta perguntar “estás bem?”, é preciso ficar o tempo suficiente para ouvir se esse alguém está ou não bem…

Breve como tu, amor, pediste…

Posted in As Minhas Músicas de Sempre with tags , , on Agosto 30, 2008 by soniapessoa

Paulo Gonzo/Lúcia Moniz

http://www.youtube.com/watch?v=1h60MoSkaSU

Conclusões Possíveis

Posted in Uncategorized with tags , , on Agosto 29, 2008 by soniapessoa

Responder aos vossos comentários dá um novo post. Faço questão de responder a cada um de vós, porque a minha opinião pessoal tem um bocadinho de todos.

Pessoinha – Claro que sim que é possível, são as chamadas excepções.

Rui – Tens toda a razão, em assuntos do coração não podemos entrar em extremismos.

Pedro – Eu chamo-lhe machismo… se quiseres explico-te porquê…

Ternurinha – Se deres lugar às excepções, concordo contigo e com o Pedro.

Vitor – A razão está do teu lado e de Shakespeare também.

Beezz – Acho que esse preconceito começa a ser ultrapassado… eu chamo-lhe mais más linguas…

Cristina – Quem fala em excepções nunca perde.

Jorge – O teu post é assunto para outra discussão, mas acho que não responde a esta questão. Falamos de coisas diferentes.

Armindo – Fizeste-me rir a valer! A analogia que fizeste pôs-me a pensar…

Jorge Soares – O teu comentário tem tudo a ver com uma coisa a que se chama disponibilidade interior…

CONCLUSÕES POSSÍVEIS

Estas são as minha conclusões (possíveis) sobre um assunto que daria pano para mangas, daria para horas e horas de conversa sem que se chegasse a uma verdade absoluta… claro que sim, que é possível haver uma amizade descomprometida entre um homem e uma mulher, mas por vários motivos e de acordo com determinados pressupostos. Ou seja, “sim é possível” são as chamadas excepções.

Sim é possível, mas em determinadas circunstâncias improvável. Porque, para mim, tudo tem a ver com condições externas e internas ao ser humano. Já sabemos que os homens cedem a uma tentação com mais facilidade que as mulheres, é verdade, mas isso não faz deles uns taradinhos completos que a qualquer saia que se lhes roce comece uma campainha a tocar!! Existe uma coisa chamada “química”, que acredito funcione para ambos os lados… eu não sinto essa química por todo e qualquer um que se me apresente à frente, acredito que com eles também não. Agora vamos partir do pressuposto de que essa química existe, ou melhor, de que se reunem condições para que isso aconteça… não fará diferença se ela ou ele são casados com o nosso melhor amigo? (é apenas um exemplo), condições exteriores.

Disponibilidade… é a palavra-chave nesta questão. Se eu estou perdidamente apaixonada pelo meu namorado, não estou emocionalmente predisposta a uma situação dessas, se sou casada, feliz, e me encontro na plenitude de uma ligação matrimonial, continuo sem ter essa predisposição… ou seja, se em qualquer dos casos houver momentos de saturação, abrem-se brechas que proporcionam o aparecimento dessa disponibilidade emocional, muitas vezes até de forma inconsciente, como quem na incomodidade de uma relação procura um refúgio, uma salvação… que quase sempre acaba em perdição…

Por isso, amigos, todos temos razão, porque esta matéria não depende de um só prisma mas de uma imensidade deles… termino com uma frase que encontrei na net sobre o assunto:

“A amizade é um solo fértil para que o amor cresça”,

cada um de nós escolhe cultivá-lo ou não…

Opinem, por favor!

Posted in Uncategorized with tags , on Agosto 28, 2008 by soniapessoa

Se entrassem no meu messenger poderiam ler a seguinte frase à frente do nome de uma amiga minha, a Ana, ou seja escrito por ela:

“Não há amizade possível entre um homem e uma mulher, há paixão, inimizade, adoração, amor… mas amizade não!”

Já dizia a outra que “Não há Coincidências”!… alguém me ajuda a contrariar a má onda da minha amiga???… fiquei a pensar se a afirmação tem algum fundo de verdade… tem?

Enquanto pensam sobre o assunto e opinam, podem sempre ouvir esta música… é bonita.

Chris De Burgh (clicar em baixo)

http://br.youtube.com/watch?v=ollhDTyeO4M

As Minhas Músicas de Sempre

Posted in As Minhas Músicas de Sempre with tags , on Agosto 27, 2008 by soniapessoa

 imagem retirada de http://corteadireito.blogspot.com

Papas na Língua (clicar em baixo)

Um mau momento

Posted in Uncategorized with tags , on Agosto 27, 2008 by soniapessoa

Ontem não foi um grande dia, vá-se lá saber porquê, não foi um grande dia… sempre que saio de carro ligar o rádio é um gesto automático, tão automático como pôr o cinto de segurança… a páginas tantas anunciaram a nova música do André Sardet, confesso que fiquei curiosa… mas tenho de ser sincera, não gostei nada e acho que o André Sardet vai ter que se esforçar um bocadinho mais da próxima vez… apesar disso apeteceu-me lembrar aqui o sucesso que foi esta música, “Foi Feitiço”, um momento feliz na vida do artista.

André Sardet (clicar em baixo)

http://www.youtube.com/watch?v=C2no_5yqNw8

Pensamento do Dia

Posted in Pensamento do Dia with tags , on Agosto 27, 2008 by soniapessoa

Não há destino a não ser aquele que nós próprios fazemos.

As Minhas Músicas de Sempre

Posted in As Minhas Músicas de Sempre with tags , on Agosto 26, 2008 by soniapessoa

Não devemos desistir de um sonho, pois não?… mesmo o mais longínquo, devemos lutar por ele…

 

Josh Groben (clicar em baixo)

http://www.youtube.com/watch?v=ls7ila3srzI

As vezes que desejei ser homem

Posted in Uncategorized with tags , on Agosto 25, 2008 by soniapessoa

Todas nós mulheres já desejamos pelo menos uma vez na vida ser homens… bem, eu já desejei pelo menos uma boa meia dúzia delas, e isto contado assim por alto.

Comecemos pelo lado bom. É lindo ser mulher! Não menos verdade do que a minha afirmação anterior. Depois de pesquisar no Google o que é ser mulher, entre várias, escolhi uma definição: “Ser mulher é estar em mil lugares ao mesmo tempo de uma só vez, é fazer mil papéis ao mesmo tempo, é ser forte e fingir que é frágil para ter um carinho”. Esta é uma entre muitas, gostei dela. Mas, a coisa começa a descambar logo em pequenas quando nos enfiam naqueles vestidos glamourosos e nos pregam um laçarote na cabeça… a coisa começa logo aqui a ficar deprimente!… mas a vida corre, corre bem, até ao dia em que entram, sem pedir licença, no nosso dicionário palavras como tampões, pensos higiénicos e afins, aqui a coisa descamba vertiginosamente, mas o tempo vence-nos e acabamos por perceber que “se não podes com ele junta-te a ele” e lá convivemos uma vez por mês da melhor forma possivel com esta benção que Deus nos deu! Menos mal que nem tudo são espinhos, na fase da adolescência eles têm tantas borbulhas como nós…

…mas claro, que nem tudo são rosas e este par de prateleiras que se me alojou aqui na zona frontal, teima em incomodar, e a palavra soutien começa a deixar-me à beira de um ataque de nervos… É nesta altura que os pais, leia-se sexo masculino, se armam em defensores da pátria, esquecem as borradas que fizeram nesta idade (ou porque não esquecem!), e começam a controlar-nos as saídas, impõem horas de chegada e atrelam a nós o irmão mais novo, quando este tem a pouca sorte de existir… é nesta altura que começamos a ser gente, a bater o pé e a fazer reivindicações, valha-nos ao menos isso! Conquistado o lugar ao sol, por vertigem do amor e continuação da espécie, damos de cara com o irreversível que é uma gravidez… digo irreversível, porque me lembro bem, ao fim de dozes horas de terror, me virar para a enfermeira e lhe dizer que não queria mais, que me deixasse ir embora, que ficava para outra vez!!… escusado será dizer que ninguém me deu ouvidos e a rapariga acabou por sair pelo mesmo sítio por onde entrou nove meses antes… (ressalve-se que foi o momento em que perdoei a Deus tudo o que tinha passado até ali). É claro que sobre esta experiência não chegariam posts para contar a forma estóica como se sobrevive a uma gravidez (e vão duas!), mas isso é melhor esquecer já que me deprime consideravelmente…

E a vida corre, nem tudo é bom, nem tudo é mau, mas corre… é mais ou menos nesta altura que me encontro e, porque nunca fui muito dada a certas feminilidades para as quais não tenho grande pachorra, resolvi que aquelas peles a mais que se alojam nos nossos calcanhares, e tão feiinhas ficam na sandália de verão, seriam retiradas por mim mesma poupando a chatérrima ida à pedicure… ora se elas conseguem, depois de aguentar as adversidades da vida inerentes à condição feminina, então eu também consigo!!… foi aqui que arranquei um bife ao calcanhar do meu tão gracioso pézinho e desejei ser homem… pela enésima vez nesta vida!